Lamb nos coliseus do Porto e Lisboa

26 OUTUBRO, 2017 -

Nos próximos dias 13 e 14 de Novembro, os Coliseus do Porto e Lisboa acolherão o duo de música electrónica Lamb, naquela que é a digressão celebratória dos seus 21 anos de carreira. Os concertos marcam o regresso do grupo oriundo de Manchester a territórios portugueses desde o ano de 2011, quando promoviam o seu aclamado disco de reunião 5. 

Terá sido com “Gorecki” que uma porção considerável de ouvintes foi introduzida tanto a magnífica voz etérea de Louise Rhodes como os talentos do multi-instrumentalista e produtor Andy Barlow. O single, retirado do seu homónimo álbum de estreia lançado em 1996, era bem indicativo do seu estilo, o projecto navegando com liberdade criativa numa fusão entre o trip hop – que começava a ser popularizado por artistas como Massive Attack, Portishead ou Tricky – e as rompantes batidas que emprestavam tanto aos sons urbanos do drum and bass como à catarse do jazz. Se por um lado “Gorecki” era o grande cartão de visita, faixas como as fan-favorites “Lusty” ou “Trans Fatty Acid” (mais tarde misturada e elevada a um estatuto de clássico pelos icónicos produtores aústriacos Kruder and Dorfmeister) fortaleciam a primeira impressão com que o grupo se dava a conhecer. Além do peso que os já referidos ritmos de Bristol assumiam, juntava-se uma sensibilidade pop que também era levada a cabo pelos seus contemporâneos Sneaker Pimps ou Morcheeba (embora os Lamb a fizessem ecoar de forma menos directa), e o gosto por ocasionais devaneios instrumentais, o que lhes conferia um aspecto menos assumidamente acessível. Mais do que a soma das suas influências, no entanto, Lou e Andy conseguiam criar uma identidade original a partir da paleta em que se baseavam. 

O seu primeiro disco acabaria por ser o mais aclamado pela crítica, apesar de tudo. Seguir-se-iam os lançamentos de Fear Of Fours, em 1999, e, dois anos mais tarde, What Sound – que contém em “Heaven” e “Gabriel” dois dos seus temas mais conhecidos. Between Darkness and Wonder chegou às lojas em 2003, antes da separação do duo. A inactividade durou 8 anos: entretanto, o anteriormente mencionado 5 e Backspace Unwind (de 2014) complementaram o catálogo desenvolvido pelos Lamb. O grupo regressa aos Coliseus com renovada experiência, um acrescido sentido de maturidade e, sobretudo, a promessa de tornar a agitar a onda de entusiasmo que em volta deles outrora já se formou. 

Artigo escrito por Daniel Dias

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS