Japandroids – ‘Near To The Wild Heart of Life’

27 JANEIRO, 2017 -

Tendo já deixado a sua assinatura no rock do início desta década, os Japandroids não teriam que provar o que quer que fosse. Post-Nothing (2009) e Celebration Rock (2012) são exercícios bem-sucedidos de noise rock e garage punk, consagrados e reconhecidos pela crítica e pelo público. Após o lançamento do segundo álbum, seguiu-se uma digressão de ano e meio, com mais de 200 concertos em 40 países diferentes (e duas passagens por Portugal: no EDP Paredes de Coura em 2012, e no Optimus Alive do verão seguinte). Depois, o silêncio.

É deste espaço em branco que brota Near To The Wild Heart of Life. O power duo canadiano, constituído por Brian King (guitarra, voz principal) e David Prowse (bateria, voz de apoio), decide tirar um tempo para viver. E para ler: não tivesse nascido o título da leitura de ‘Near To The Wild Heart’ de Clarice Lispector, por sua vez inspirado numa frase de James Joyce no seu ‘A Portrait of the Artist as a Young Man’: «He was alone. He was unheeded, happy, and near to the wild heart of life». Drenando estas influências literárias e cruzando-as com a experiência intensa e desenfreada da vida a que se sentem chamados, os Japandroids escrevem e gravam o novo álbum entre Nova Orleães, a Cidade do México, Vancouver, Toronto e Montreal.

Tudo começa com a faixa título, em que experienciamos o nitrido de um cavalo que decide abandonar a sua manada. São minutos de propulsão que expressam a catarse da banda. Trata-se de um início auspicioso, liderado pela voz de Brian King, que nos conduzirá de forma emocionada ao longo das músicas (mesmo que a prestação mais emocionada acabe por ser aquela que de certa maneira filtra e camufla a voz principal, em ‘I’m Sorry For Not Finding You Sooner’). Near To The Wild Heart Of Life apresenta-se com uma narrativa vincada e relativamente linear: a primeira metade aborda, tematicamente, o desejo da ruptura e a possibilidade da aventura; em contraste com uma segunda metade mais desiludida, conformada e introspectiva. O álbum conta-nos uma história de boémia: num primeiro momento, triunfal; posteriormente, desorientada. A necessidade de partir (faixa-título) e o desejo de voltar (Midnight to Morning). Temática e liricamente, é um exercício maduro, que reflecte o passar dos anos e o peso que isso acarreta: «age is a traitor and, bit by bit / less lust for life», ouvimos na última música. Uma crise de meia-idade, antes dos 40; mas quem não a experimenta, volta e meia? Neste sentido, é um álbum estruturalmente simples, e muito auto-explicativo.

Em termos sonoros, o novo trabalho dos Japandroids pode ser descrito como um conjunto de hinos power pop, enérgico e frontal, e diverso na abordagem de cada canção. Para quem nunca ouviu a banda: não são tanto uma espécie de The Black Keys sem travões, ou uns Royal Blood menos pesados; estão mais próximos da veia punk de Jeff Rosentstock, apostando na ambiência, nas texturas e nas camadas, ao invés de nos riffs individuais da guitarra. Criativamente, o grande trunfo de Near To The Wild Heart of Life está na relação emaranhada entre a guitarra e a bateria: determinados momentos do álbum atingem a beleza que procuramos, e que rapidamente percebemos que não nos chegam. Oiça-se por exemplo o crescendo do último refrão de ‘True Love and a Free Life of Free Will’, ou a bridge instrumental de ‘Midnight to Morning’ (talvez os meus momentos preferidos de todo o álbum). Esta relação profícua e dinâmica acaba por compensar alguma simplicidade excessiva na composição de algumas das faixas. Só é pena ficarmos a esgravatar por mais instantes de génio criativo e comunhão instrumental.

Os Japandroids defendem que Celebration Rock foi o culminar da procura de um som; e que este álbum constitui o início da procura de uma nova forma de se exprimirem. Parece haver um esforço pela diversidade de som, mais do que nos anteriores trabalhos: cada música quer ter uma identidade própria. Vale a pena ouvir Near To The Wild Heart of Life; entra no ouvido e é de fácil audição. Os coros, também marca do duo, querem-nos pôr também nós a cantar: mesmo que por meio de «ohoh’s», «yeah’s» e «shanananana’s», envolvem-nos e implicam-nos. Destaque para ‘No Known Drink No Known Drug’, para além das canções acima referidas. Talvez o verão vá fazer bem a este álbum, talvez o amadureça – e poderemos comprová-lo já em Junho, no NOS Primavera Sound. Os Japandroids voltaram a passar com distinção a prova pela qual não precisavam de passar, reinventando a fórmula sem a repudiar. Divertido, motivador, intenso, e lo-fi qb. Um hino aos altos e baixos da vida e dos sonhos, e ao lado selvagem do coração.

Swap the city’s lights for the southern cross
Gather the gang and make that night
An ultimatum to the universe
– ‘In a Body Like a Grave’

Texto de Tiago Mendes

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Ao terceiro dia, as pernas dos campistas do Vodafone Paredes de Coura já fraquejam, mas os banhos

O Parque da Cidade preparava-se para o último dia deste trio de jornadas recheadas de música muit