‘Indústria 4.0’ vai dar competências a mais de 20 mil trabalhadores

30 JANEIRO, 2017 -

O Governo anunciou hoje que as 60 medidas previstas no âmbito da ‘Indústria 4.0 – Economia Digital’ vão permitir dar competências digitais a mais de 20 mil trabalhadores.

“Numa fase inicial, permitirão requalificar e formar em competências digitais mais de 20 mil trabalhadores. Ao fim de um ano a estudar-se em que ponto é que estamos na indústria dos vários setores do país, é claro para todos que o grosso destas medidas tem a ver com a requalificação de pessoas”, disse o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, na apresentação de resultados da iniciativa “Indústria 4.0 – Economia Digital”, em Leiria.

Esta solução “envolve o Ministério do Emprego, o Ministério da Educação e o Ministério da Ciência”, exemplificou, ao reforçar que “todas estas 60 medidas envolvem grande parte do Governo”.

“Estamos a falar de dezenas de milhares de pessoas que vão ter formações em TIC [Tecnologias da Informação e Comunicação], em vários níveis, e vai haver uma reprogramação dos conteúdos das escolas profissionais”, acrescentou o secretário de Estado, que falava na Escola Superior de Tecnologia e Gestão, do Instituto Politécnico de Leiria, considerando que terá de ser uma “qualificação ao longo da vida ativa”.

João Vasconcelos disse ainda que o Governo vai ter uma “diplomacia digital económica, focada nesta estratégia da Indústria 4.0, e que irá promover as empresas que existem e que já fornecem tecnologia indústria 4.0”.

Segundo o governante, trabalharam nesta estratégia várias entidades, “quase semanalmente, durante um ano”. Algumas das medidas “já estão no terreno e outras vão para o terreno durante os próximos quatro anos”, salientou.

Para João Vasconcelos, esta “não é uma estratégia do Governo, mas do país”.

O secretário de Estado explicou que funcionaram “quatro grupos de trabalho, onde estavam representadas grandes empresas, pequenas e médias empresas e ‘startups’ [empresas em início de atividade], que trabalharam nas medidas”, destacando o grupo da agroindústria, no qual “se falou muito do poder da digitalização na produção agrícola, no transporte e armazenamento de bens alimentares”.

Já no grupo do retalho, “discutiu-se o comércio eletrónico, o sistema de logística e o ‘marketing’ digital”, disse, defendendo que, “para os setores mais tradicionais da indústria, o comércio eletrónico é uma enorme oportunidade”.

Outra das discussões centrou-se no setor automóvel, com os fabricantes e os fornecedores da indústria automóvel.

No conjunto das 60 medidas, “algumas são 100% privadas, outras 100% públicas, outras privadas e públicas e têm um impacto sobre mais de 50 mil empresas a operar em Portugal”.

O secretário de Estado da Indústria disse ainda que foi assinado hoje o protocolo entre o Ministério da Economia e a COTEC, “que vai ficar responsável por acompanhar a implementação desta estratégia e atualizá-la”, uma vez que “as tecnologias ficam desatualizadas muito rapidamente”.

Texto de Lusa

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Pedro Nunes foi um dos primeiros nomes na difusão e na investigação científica

Hoje, 2 de Fevereiro, assinalam-se os 110 anos do desaparecimento de Dmitri Mendeleev

Salvador Dalí sempre foi um pintor com fundamentos vários e com uma mente que se

No auge de uma filosofia reputada por nomes assinaláveis, tais como René Descartes