Iggy Pop: uma vida em tronco nu

21 ABRIL, 2017 -

James Newell Osterberg, ninguém saberá quem é, mas se falarmos em Iggy Pop, aí é outra conversa. Faz hoje 70 anos e é uma figura incontornável do mundo da música e do espectáculo. Nascido em Muskegon, uma pequena cidade do estado de Michigan. O rapaz que era tímido na infância e muitos diziam que tinha vergonha de falar. E, por isso, ninguém arriscaria dizer que um dia se iria tornar no animal de palco que é hoje. A verdade é que se tornou num dos ícones do rock.

O percurso de Iggy Pop começa nos anos 60 como baterista da banda The Iguanas, e daí vem a sua alcunha de “Iggy”. No final da mesma década inspirado por um concerto que tinha assistido dos The Doors, forma os The Stooges, banda que viria a liderar enquanto vocalista. O primeiro disco dos The Stooges, intitulado com o nome da banda é lançado em 1969 e traz ao mundo, “I Wanna Be Your Dog”, single que hoje já é considerado um clássico da música rock. O álbum foi produzido por John Cale dos Velvet Underground.

No início da década de 70, Iggy Pop conhece David Bowie no bar Max Kansas City em Nova Iorque. A empatia entre os dois foi imediata e Bowie resgatou Iggy Pop com a intenção de lançá-lo numa carreira a solo. Em 1973, depois da morte do baixista da banda, os The Stooges lançam “Raw Power”, disco gravado em Londres e produzido por David Bowie. O ano de 1976 viria a ser crucial, Iggy e Bowie vêem em Berlim uma espécie de cidade da reabilitação, mudaram-se com a intenção de se livrarem dos vícios, nomeadamente, da heroína e do álcool. De Berlim para o mundo saem os álbuns “The Idiot” e “Lust For Life”, “Dum Dum Boys”, “Lust For Life”, “The Passenger” e “China Girl” marcaram uma geração, a última teve direito a uma versão de David Bowie nos anos 80, incluindo-a no seu disco “Let’s Dance”.

A década de 80 foi marcada pela colaboração com Steve Jones, guitarrista da banda Sex Pistols, lançaram “Blah Blah Blah”, mais uma vez sob orientação de Bowie. Em 1988 é gravado “Instinct”, que continua a contar com a participação de Steve Jones em músicas como “Strong Girl”, “Power & Freedom” e “Squarehead”, o nono álbum de Iggy sem os The Stooges. Nos anos seguintes Jones continuou, esporadicamente, a trabalhar com Iggy Pop.

Depois de vários anos a colaborar com grandes nomes da música, em 2003, Iggy Pop e os The Stooges voltam a reunir-se, quatro anos depois lançam “The Weirdness”, quarto disco da banda que transporta faixas como “Free & Freaky”, “You Can’t Have Friends” ou “She Took My Money”. Em 2011, Iggy Pop e os The Stooges subiram ao palco do Optimus Alive, um concerto inesquecível para quem teve oportunidade de assistir.

Passados dois anos desse concerto memorável, Iggy Pop & The Stooges lançam o seu quinto álbum de estúdio “Ready To Die”. Em 2016 veio ao mundo o mais recente trabalho de Iggy. Habituado a várias colaborações com os maiores vultos da música mundial, desta vez não foi excepção. “Post Pop Depression” produzido por Josh Homme é a cereja no topo do bolo da carreira de Iggy Pop. Podem ler a nossa crítica ao álbum aqui.

Uma vida, uma carreira com mais altos do que baixos, tornou-se uma voz mítica e inconfundível. Um ícone do rock, o homem em tronco nu, imagem que guardamos sempre que falamos nele. Iggy Pop está sempre de parabéns, mas hoje em especial pelo seu 70º aniversário.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Pás de Problème A “real padrada” dos Pás de Problème abriu o Palco EDP

Já lá vão os tempos das Generator Parties, dos Kyuss, dos Mondo Generator, ou até de

O ano de 2016 ficou marcado pela perda de alguns ícones da música mundial. Logo no início do ano

Foi no início da década de 70 que Iggy Pop conheceu