Iain Smith, produtor de ‘Mad Max’: ‘nós operamos num campo de batalha entre a arte e o dinheiro’

21 JUNHO, 2017 -

Os títulos dos filmes nos créditos até podem falar mais alto do que o seu nome. Mas o seu trabalho nas diferentes capacidades de produtor engloba o de inúmeros realizadores e, sobretudo, filmes marcantes, através dos anos 80 até… ontem. O showreel com que abriu a sua masterclass, no FEST, levou-nos a Local Hero, de Bill Forsyth, com Burt Lancaster, ao mítico Terra Sangrenta e A Missão, ambos de , Rolland Joffé; 1492: Cristóvão Colombo, com Depardieu, O 5º Elemento, de Luc Besson, Sete Anos no Tibete, com Brab Pitt… Chega? Mas há mais! Cold Mountain, de Minghella, com Jude Law e Nicole Kidman, Os Filhos do Homem, de Cuarón, Mad Max – A Estrada da Fúria, de George Miller… Comum por detrás de tudo isto: Iain Smith!

Durante duas horas partilhou a sua experiência com o muito interessado e participativo auditório.

Se quisermos, talvez a sua maior expressão seja mesmo uma ação vigorosa e demasiado realista. Nesse sentido, o melhor cartão de visita seja mesmo o mais recente filme, Mad Max – A Estrada da Fúria, do australiano George Miller.

Ao olhar para trás, Iain justifica a sua chegada ao cinema, como uma obra quase do acaso, pois, segundo ele, ficou a dever-se ao mau tempo britânico, já que tinha de ficar muito tempo fechado em casa. Foi aí conheceu Bergman e outros.

Contudo, o desejo de realizador acabaria por ser limitado por uma má experiência. E resolvido depois pela inteligência. Como se compreende, não queria ser uma segunda escolha. Talvez por ser demasiado racional e sistemático. Por planificar demasiado as coisas, por ser muito organizado, Isso matou o meu lado de realizador. Compreendeu então que no seu lugar no cinema passaria a tentar proteger a genialidade dos outros.

Até que um dia recebe um telefonema de George Miller a sugerir-lhe a produção de Mad Max – A Estrada da Fúria. Diz Iain que Miller não queria ter um guião, para não ser controlado pelos estúdios. Sentiu que isso o iria limitar. Algo que para um produtor significaria cortar uma das minhas pernas.

Entre as aventuras técnicas durante a rodagem de Mad Max, Iain partilhou a filmagem em simultâneo com 30 câmaras, o uso de Go Pro’s no deserto da Namíbia, que acabaram todas destruídas, mas com grande resultado! No entanto, Iain não tem ilusões: Eu não faço o filme, eu permito que o filme se faça.

Se há divisa que respeite, talvez a “proteção do talento” fale mais alto. Nós somos os parceiros silenciosos desse processo, justifica sem ponta de amargura. Preferindo até exaltar o papel dos produtores: nós operamos num campo de batalha entre a arte e o dinheiro, procurando encontrar uma ligação entre ambos. E quando isso está equilibrado, existe o que Smith designa como um momento zen.

Mas se lhe pedissem para descrever a sua ‘marca’, diria que tentamos filmar tudo como se fosse realidade. Mesmo quando são usados muitos efeitos especiais. É essa proximidade com a realidade que me dá gozo.

Artigo escrito por Paulo Portugal, publicado no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Centenas de participantes de vários pontos do mundo, dezenas de pr

“Existem apenas duas decisões que realizadores podem tomar que fazem a diferença: sobre

O diretor de fotografia norte-americano está de visita a Portugal para o FEST – Festival

'Tangerine' é um filme independente dirigido por Sean Baker sob