Festival Literário da Madeira anuncia presença da Nobel Svetlana Alexievich

19 JANEIRO, 2017 -

A sessão de abertura do 7.º Festival Literário da Madeira (FLM) que decorre no Funchal entre 14 e 19 de março tem a presença confirmada da Prémio Nobel da Literatura de 2015, Svetlana Alexievich, anunciou hoje a organização.

O FLM decorre este ano subordinado ao tema “Literatura e a Web — entre o medo e a liberdade” e aquela jornalista e escritora vai manter uma conversa com o jornalista Luis Caetano, acrescenta a informação disponibilizada.

Outro dos grandes momentos do programa será o concerto de Teresa Salgueiro, “Horizonte”, no dia 17 de março, no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal.

Da lista de participantes divulgada até ao momento constam os nomes dos autores angolanos Pepetela e Ondjaki e do jornalista Fernando Alves.

A jornalista e escritora bielorrussa Svetlana Aleksievitch foi distinguida em 2015 com o Nobel da Literatura pela escrita “polifónica, um monumento ao sofrimento e à coragem no nosso tempo”, anunciou, na altura, a Academia Sueca.

Da autora, foi publicado em Portugal “O fim do homem soviético — um tempo de desencanto”, pela Porto Editora, tendo o livro “A guerra não tem rosto de mulher” chegado às livrarias portuguesas em setembro do ano passado, publicado pela Elsinore, que já havia lançado “Vozes de Chernobyl”.

O Festival Literário da Madeira é organizado pela Eventos Culturais do Atlântico (ECA) e elegeu como o seu principal objetivo “a promoção sociocultural através do fomento da prática artística e pedagógica, e organização de eventos nacionais e transfronteiriços e de desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação e da informação”.

O programa do FLM é composto por uma semana de encontros, debates, concertos, sessões de autógrafos, incluindo também momentos de divulgação da ilha.

Eduardo Lourenço, Alberto Manguel, Helder Macedo, Naomi Wolf, Gonçalo M. Tavares, Mia Couto, Samar Yazbek, Lídia Jorge e o recentemente falecido Zygmunt Bauman foram autores que passaram pelo festival em edições anteriores.

Texto de Lusa

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Henry Chinaski é um sacana com lábia. Os admiradores de Bukowski conhecem-no bem. Álco

Aleksandr Púchkin é a origem da literatura russa como a conhecemos. Como podia a

A editora Tinta-da-China vai lançar, na terça-feira, no Bras

Paraíso começa com sida. Pelo meio mete-se violência contra mulheres,