‘Farpões Baldios’ conquista o primeiro lugar nas 25ªs Curtas de Vila do Conde

17 JULHO, 2017 -

Dois anos depois de Filipa César arrecadar o grande prémio internacional com o filme “Mined Soil”, o Festival de Curtas de Vila do Conde volta a distinguir um filme de autoria portuguesa. Realizado por Marta Mateus, “Farpões Baldios” conta a história de um Portugal rural em que se cruzam velhos e novos. O filme representa “uma linhagem de obras onde a infância desbloqueia os sofrimentos, os erros e as virtualidades do passado”, afirma o júri desta 25ª edição.

Na categoria destinada à criação nacional, Gabriel Abrantes recebeu o prémio de melhor realizador português com “Os Humores Artificiais”. João Pedro Rodrigues distinguiu-se com o auto-retrato “Où en Êtes-Vous, João Pedro Rodrigues?, uma encomenda do Centro Pompidou.

Nas demais categorias, foram distinguidos o filme de animação “My Burden” de Niki Lindroth Von Bahr (Suécia), o documentário “O Peixe”, de Jonathas de Andrade (Brasil), e a ficçãoLes Îles“, de Yann Gonzalez (França). “From Source to Poem”, de Rosa Barba (Alemanha) venceu a secção experimental e “Old Habits – Minta & the Brook Trout”, de João Nicolau (Portugal) destacou-se na categoria de telediscos. O prémio “Prize”, em serviços de pós-produção, foi para Ricardo Pinto de Magalhães, com “Delphine Aprisionada”. As crianças não foram esquecidas durante o festival. O prémio Curtinhas, atribuído por crianças entre os 7 e os 13 anos, foi para “Revolting Rhymes Part One“, de Jakob Schuh e Jan Lachauer (Reino Unido).

Contando com a presença de talento nacional e internacional, o festival de Curtas de Vila do Conde, fez uma retrospetiva do cineasta francês F.J. Ossang, que dirigiu em Portugal o seu mais recente filme, “9 Doigts”, em co-produção com O Som e a Fúria, anunciado esta semana para o Festival de Locarno.

Artigo de: Liliana Pedro

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Manoel de Oliveira tratou de assegurar um estatuto de perenidade no meio cinematográfico.

Não será arriscado afirmar que o cinema português foi, até à década de 50, um dos mais fortes

O filme "Os gatos não têm vertigens", de António-Pe

Premiado com o Leopardo de Prata para Melhor Realização no Festival de L