Exposição de obras de Dalí, Picasso, Man Ray e Cesariny em Lisboa

1 SETEMBRO, 2016 -

Uma exposição com 150 obras de arte, do acervo reunido pela Galeria Perve, em Lisboa, ao longo da última década, com peças, entre outros artistas, de Dalí, Picasso, Man Ray e Cesariny, vai ser inaugurada a 6 de setembro

De acordo com a Galeria Perve, a exposição vai destacar algumas das obras mais emblemáticas desta coleção, com mais de 3000 obras, iniciada na década de 1990, num percurso de várias linhas temáticas e estilísticas, desde as vanguardas históricas à contemporaneidade.

Surrealismo, Informalismo Gestual, Experimentalismo, Arte Popular são algumas das manifestações artísticas presentes nesta exposição intitulada “Acervo“, com a maioria das obras nunca exibidas ao público, segundo a Perve, contactada pela agência Lusa.

Salvador Dalí, Pablo Picasso, Man Ray, Sonia Delaunay, Artur Bual, Mário Cesariny, Carlos Calvet, Fernando Lemos, Malangatana e António Palolo estão entre os artistas portugueses e estrangeiros representados na exposição.

A globalidade do acervo ascende a cerca de 2500 obras de arte divididas por vários núcleos, ao qual se junta outro acervo dedicado aos livros de arte e livros de artista com cerca de 490 títulos.

Como exemplo, do núcleo de livros de artista será apresentado na exposição um exemplar de “A Divina Comédia“, numa edição portuguesa da obra de Dante, realizada na década de 1970, traduzida do original por Alexandre O’Neill, e ilustrada com cem gravuras de Salvador Dalí.

Entre outros espaços, a galeria apresentou anteriormente partes do seu acervo em Leiria, em 2001, e no Hospital Júlio de Matos, em Lisboa, em 2003.

Dados da Galeria Perve

Rua das Escolas Gerais nº 17, 19 e 23 – alfama- Junto à Igreja de Stº Estêvão
1100-218 Lisboa

Texto de Lusa

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Arthur Brand, detective especialista em arte, contou que foi conta

Os museus e os palácios nacionais mobilizaram, durante a Noite Europeia dos Mu

Com bases marxistas e idealistas, Theodor W. Adorno bebeu muito das teorias previa

Esta crónica foi escrita depois da