Em ‘Loveless’, de Andrey Zvyagintsev, há um prenúncio de catástrofe

19 MAIO, 2017 -

O cinema do russo Andrey Zvyagintsev parece contrariar uma certa crise de ideias da filmografia local, outrora uma das grandes potências mundiais. Só que o país que também já foi império tem vivido nos últimos anos um tempo de depressão e desencanto. Depois de um olhar ao sistema de favores e corrupção da sociedade russa, no excelente Leviatã, Zvyagintsev olha agora à lupa essa classe média desagregada e desencantada. Com a particularidade de em Loveless, adicionar um elemento premonitório, quase apocalíptico, ainda que sob a forma de um esboço de mistério policial.

Como é habitual, todo o trabalho de câmara e cuidadoso e de enorme rigor, pelo menos desde Elena (2011). O filme começa com uma imagem bela de uma panorâmica em redor de uma árvore, que acabará por ser chave de parte do mistério que acompanharemos durante um pouco mais de duas horas.

Quando o filme assenta no desenlace de um casal, com consequências nefastas para o pré-adolescente, percebemos que esse ambiente de desamor é contagiante por toda a sociedade, como se todos estivessem apenas preocupados em fazer dinheiro ou, pura e simplesmente existir de acordo com as regras imutáveis. Como desaparecimento do jovem, esse mundo acaba por desabar – o tal fim do mundo prenunciado por uma notícia na rádio – a dúvida do que sucedeu cresce, ainda que Loveless não pretenda cumprir a conclusão do género thriller.

Mesmo sem estar ao nível do anterior Leviatã, acaba por ser o exercício de cinema mais forte e coerente dos filmes em competição. Adivinha-se que algum tipo de premiação possa passar por aqui.

Texto escrito por Paulo Portugal, publicado no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

A Leopardo Filmes assegura a distribuição em Portugal de alguns dos filmes mais

Depois de uma abertura morna com Os Fantasmas de Ismael, de Arnaud Desplechin, for