‘Colo’, de Teresa Villaverde, abre com disforia o IndieLisboa

5 MAIO, 2017 -

O filme “Colo”, de Teresa Villaverde, abriu o tão esperado IndieLisboa, que se encontra na sua 14º edição. Mais de duas décadas depois, a realizadora portuguesa  voltou a ser selecionada para o Festival Internacional de Berlim, que se realizou em Fevereiro, onde o filme teve a sua estreia internacional e competiu pelo Urso de Ouro.

Com cerca de 10 longas-metragens na bagagem, Teresa Villaverde apresenta-nos o filme “Colo”, que nos conta a história crua de uma família portuguesa, protagonizada por Beatriz Batarda e João Pedro Vaz. Narra a vida regular de uma família em pleno desgaste, um pai desempregado, uma mãe sobrecarregada e uma filha retraída e constantemente nublada. Fala-nos de crise, que é simultaneamente uma crise económica, familiar e existencial. Não percebemos que crise motivou as restantes: as dores e dormências estão presentes ao longo das quase duas horas e meia de filme, sem que se perceba uma origem e um término.

 As personagens encontram-se desabitadas. Abandonaram a vontade de falar, de comunicar, e ficaram-se pela difícil passagem do tempo. À medida que o filme se vai desenvolvendo assistimos a uma constante perda das personagens dentro de si mesmas, e sentimo-nos, não raras vezes, vazios. 

Um filme que descreve, assiduamente, a complicada relação entre pais e a filha adolescente. Existe uma espécie de renúncia  em relação à vivência e aos sentimentos da filha Marta: esta é constantemente secundária, e ninguém a olha seriamente. A mãe não a vê, está sempre perdida dentro dela mesma, e procura por apoio, ao mesmo tempo que tem que ser quase uma mãe do seu próprio pai desamparado. 

Todas as personagens refletem uma sociedade exausta e deteriorada, à beira do eterno silêncio. É uma obra que fotografa muito bem a ideia do silêncio na solidão, quase que se torna sufocante, não deixa o público respirar, torna-se um drama pesado e cru. Os longos planos com pouca movimentação, a monotonia das cenas, e uma certa distância emocional das situações, são outros dos ingredientes utilizados pela realizadora para contribuir para o efeito do todo.

Teresa Villaverde trabalha o tempo do filme como se fosse o tempo real. As coisas custam a passar, somos expostos ao vazio horário, à falta e à (insuficiente) procura de propósito. O público sente-se incomodado, inquieto; isto são claros reflexos da crise,  mensagem que também ela queria transmitir. Torna-se num filme tenso, que reflecte o dia a dia de muitas famílias  isoladas e sós, completamente esmagadas pelo quotidiano, onde não há tempo para viver, para comunicar. Contém um ritmo lento, essencialmente inundado pela fatiga afectiva das personagens e mais tarde do seu público. 

Mesmo que propositada, a crueza do filme acaba por afectar a experiência de quem o vê. Sentimo-nos dormentes e impotentes no meio de cenas que frequentemente se apresentam como bizarras. Assistimos a um processo de enlouquecimento das personagens; elas sentem-se deslocadas, e nós com elas.

Em relação à parte técnica do filme, notamos a falta de uma banda sonora regular que cortasse um pouco a crueldade do quotidiano; mesmo que, em alguns momentos, música sinfónica e de câmara irrompesse, adicionando uma profundidade emocional em momentos pontuais. O som assumiu um papel perfurante no filme, era quase doloroso ouvir o dia a dia das personagens. A fotografia estava bastante cuidada e trazia um pouco de frescura ao filme. 

O melhor plano do filme é a sequência final, quando a rapariga está dentro da pequena casa azul no meio do nada: primeiramente vemos um plano de Marta dentro da casa, depois um plano geral da casa, a câmara vai-se aproximando lentamente da casa, e quando pensamos que vamos voltar para dentro da casa, a câmara afasta-se cada vez mais da casa numa dança que nos fala sobre a vida, bem longe do nosso olhar. Não é um filme que proporcione um começo eufórico para o IndieLisboa, mas a vida também é isto, e poucas armas terão a força do cinema para ilustrar isso mesmo.

Texto de: Sara Camilo e Tiago Mendes

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Já são conhecidos todos os vencedores da 74ª edição dos Globos de Ouro 2016, 

'An Inconvenient Truth' estreou em 2006 e agora, 10 anos depois, ficámos a saber

A 89ª edição dos Óscares decorreu esta noite e atribuiu 24 galardões distinto

A entrega dos prémios da 89ª edição dos Óscares, apresentada e