‘Colo’, da realizadora Teresa Villaverde, seleccionado para o Festival de Berlim

15 DEZEMBRO, 2016 -

O filme ‘Colo‘, da realizadora portuguesa Teresa Villaverde, foi seleccionado para a competição oficial da 67ª edição do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que decorre entre 9 e 19 de Fevereiro de 2017, foi hoje anunciado.

Num comunicado conjunto, a produtora da longa-metragem, Alce Filmes, e a Portugal Film – Agência Internacional de Cinema Português, sublinham a selecção do novo filme de Teresa Villaverde para “a secção mais importante e prestigiosa deste festival, um dos mais importantes do mundo“.

Trata-se de uma ficção que conta no elenco com João Pedro Vaz, Alice Albergaria Borges, Beatriz Batarda, Clara Jost, Tomás Gomes, Dinis Gomes, Ricardo Aibéo, Simone de Oliveira e Rita Blanco.

Com realização e argumento de Teresa Villaverde, o filme, de 135 minutos, tem direcção de fotografia de Acácio de Almeida, montagem de Rodolphe Molla, som de Vasco Pimentel, Marion Papinot, Joël Rangon, direcção de produção de António Gonçalo, e Paulo Belém como assistente de realização.

O filme é uma reflexão muito atual, e quase serena, sobre o nosso caminho comum como sociedades europeias de hoje, sobre o nosso isolamento, a nossa perplexidade perante as dificuldades que nos vão surgindo, sobre a nossa vida nas cidades e dentro das nossas famílias. É um filme em tensão crescente que nunca chega a explodir‘, descreve o comunicado.

A longa-metragem ‘Colo‘ é produzida pela Alce FilmesTeresa Villaverde (Portugal), em co-produção com a Sedna FilmsCécile Vacheret (França).

Teresa Villaverde, 50 anos, nascida em Lisboa, é realizadora, argumentista e produtora premiada em vários festivais internacionais, criou, entre outros filmes, ‘A Idade Maior‘ (1991), ‘Os Mutantes‘ (1998), ‘Água e Sal‘ (2001), ‘Transe‘ (2006) e ‘Cisne‘ (2011).

Texto de Lusa

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais de duas décadas depois, a realizadora Teresa Villaverde volta ao

Colo, de Teresa Villa

“É a geração em Portugal que era criança no 25 de Abril” e que “sentia que o seu futuro e