‘Cidade Pequena’, de Diogo Costa Amarante, arrecada o Urso de Ouro do Berlinale

18 FEVEREIRO, 2017 -

Após a vitória das curtas-metragens “Rafa” (2012), de João Salaviza, e “Balada de um Batráquio” (2016), de Leonor Teles, nova curta volta a arrecadar um Urso de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Berlim (Berlinale). Desta feita, é “Cidade Pequena“, de Diogo Costa Amarante, a responsável pelo terceiro êxito com tonalidades lusas na categoria de curtas-metragens neste festival.

Agradecendo à família e à equipa de Berlinale pelo galardão de cariz internacional, o realizador desenvolveu uma curta de 19 minutos, tendo como objetivo principal suscitar a emoção do espectador e com ele criar uma relação de conivência.Trazendo no currículo outros cinco trabalhos, entre os quais se destaca a também curta “As Rosas Brancas” (2013), com “Cidade Pequena”, Diogo Costa Amarante conta uma história na qual uma criança se apercebe que as pessoas, estruturadas com cabeça, tronco e membros, morrem quando o seu coração pára. As reações que se seguem no interior do jovem trabalham memórias familiares e são corroboradas pelo seu trabalho sonoro e pela relação entre os dois narradores, desdobrando-se num miúdo e num graúdo. A pequena cidade é o cenário no qual tudo se desenrola, seguindo uma lógica temporal própria e fluída, se bem que lenta e proporcional à vila.

Galardoado em festivais organizados em diversos países, tais como em Espanha, em França e no Brasil, Diogo Costa Amarante conquista o primeiro Urso de Ouro da sua carreira. Licenciado em Direito, embarcou em Barcelona e em Nova Iorque para prosseguir com aquilo que lhe movia, isto é, com os estudos e as práticas em cinematografia e produção e realização cinematográfica e de documentários.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

No limite entusiasmante entre a ficção e o documentário, Ole Giæver estreia a

Quatro curtas-metragens, de João Salaviza, Diogo Costa Amarante, Salomé Lamas