Ciclo de cinema sobre Jacques Tati na RTP Memória

22 DEZEMBRO, 2016 -

Entre os dias 22 e 30 de Dezembro, a RTP Memória irá transmitir 5 longas-metragens do génio da comédia Jacques Tati. Quatro das cinco obras são inclusive protagonizadas pelo próprio Tati interpretando a sua conhecida personagem Sr. Hulot.

O Meu Tio, exibido dia 22 às 15h

“O Meu Tio” tornou Jacques Tati numa celebridade mundial, tendo inclusivamente conquistado o Oscar da Academia de Hollywood para o Melhor Filme de Língua Estrangeira. Tati estava nos finais dos anos 50 no auge da sua forma e do seu talento e “O Meu Tio” é uma das mais hábeis, simples, inteligentes e deslumbrantes comédias de sempre. Implacável observador Tati consegue, em “O Meu Tio”, colocar em confronto os universos do modernismo sofisticado e do quotidiano vulgar, através da história de um garoto que se aborrece na sua casa electrónica e mecanizada e apenas se sente vivo, feliz e desejado na companhia de um tio com um chapéu ridículo, as calças demasiado curtas e um estilo de vida anárquico e despreocupado, num bairro popular e pitoresco. Uma espantosa realização de Tati onde o domínio plástico e estético, a manipulação do som e sobretudo o desenho do gag visual são absolutamente deslumbrantes.

Vida Moderna, exibido dia 23 às 15h

O Senhor Hulot tem de entrar em contato com um oficial americano em Paris mas acaba por se perder na confusão da arquitectura moderna repleta de dispositivos da mais moderna tecnologia.
Apanhado numa invasão de turistas, Hulot deambula por Paris com um grupo de turistas americanos, causando o caos bem à sua maneira.

Sim, Sr. Hulot, exibido dia 25 às 00h30

A sociedade automobilística francesa Altra quer fazer-se vingar no salão Automóvel de Amesterdão com um protótipo engenhoso de caravana desenhado pelo Sr. Hulot. Este irá acompanhar, juntamente com Maria, a jovem e mimada relações públicas da empresa, o camião onde o protótipo seguirá até Amesterdão. Nesta viagem irão surgir uma série de peripécias que atrasarão a chegada e mudarão a postura de Maria para com os que a rodeiam.

Há Festa na Aldeia, exibido dia 29 às 15h

Numa pequena aldeia do centro de França é dia de festa: os feirantes chegam à praça e instala-se um cinema ambulante. É ocasião para os aldeões descobrirem um documentário sobre as proezas dos correios na América. Ridicularizado por toda a aldeia, François, o carteiro, decide aprender a executar o seu trabalho ?à americana?….o que só vai dar confusão.
Em 1948 Jacques Tati estreava-se na longa metragem com um filme memorável, “Há Festa na Aldeia”. Desenvolvendo o argumento a partir de ideias experimentadas numa curta metragem do ano anterior Tati assina uma comédia genial, impondo desde logo um estilo inovador e uma linguagem fílmica muito pessoal. O relato das desventuras e do quotidiano de um simpático, prestável, imaginativo mas extremamente desajeitado carteiro de aldeia, permitiu a Tati revelar o seu estilo de comédia irónica e mordaz, alicerçado num prodigioso espírito de observação da realidade circundante. Com esta obra irresistível Tati não só dava um novo rumo ao humor francês no cinema, com essa portentosa capacidade para construir os mais espantosos gags puramente visuais, como criava com o seu inimitável talento para a pantomina um novo tipo de personagem de comédia, neste caso, o alto e desengonçado carteiro de farto bigode que, de forma quase silenciosa e ar de observador perplexo, criava as situações mais hilariantes. Uma espécie de primeiro esboço do fabuloso Hulot que o haveria de imortalizar.
“Há Festa na Aldeia” é uma obra-prima do cinema e da comédia em particular, que Tati realizou de forma tão inovadora e original que ironicamente o distribuidor se recusou a explorar comercialmente o filme e quase arruinou o produtor.
Rodado a preto e branco na origem Tati produziu uma cópia com vários pormenores em alguns planos pintados à mão e em 1995 surgiu uma versão totalmente colorida.

As Férias do Sr. Hulot, dia 30 às 15h

“As Férias do sr. Hulot”, uma divertida comédia realizada por Jacques Tati que também dá vida à personagem do Sr. Hulot, é a história de um homem esquisito e galanteador que nunca fala e que guia um automóvel velho e desconjuntado, a caminho da praia para gozar umas férias bem merecidas.
Lá, ele vai encontrar pessoas tão esquisitas e excêntricas como ele, o que dá origem a uma quantidade de peripécias hilariantes.

Informação retirada do site da RTP Memória.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS