Primeira edição crítica e anotada da poesia completa de um dos maiores vultos da literatura portuguesa do século XX. «Os mais de cem anos passados desde a morte de Mário de Sá‑Carneiro oferecem‑nos a ocasião ideal para revisitar a edição da sua obra, central na geração de Orpheu e ab

No século XVI, Thomas Morus criou uma terra remota, com mais do que uma cidade, com abismos que flanqueavam a costa litoral (Utopia, 1516); no século XVII, Tommaso Campanella criou uma monumental cidade sobre uma colina que se elevava numa ampla planície (A Cidade do Sol, 1602). Todavia, os habit

Domingo, hoje, a França vai a votos e a Europa muda. Seja pelo assustador caminho proto-fascista da Frente Nacional ou pela ausência de anterior experiência das restantes vias líderes nas sondagens, é seguro afirmar que o grande derrotado das presentes eleições é o discurso de continuidade.

Stephen King é um dos mais célebres autores do século XX e do ainda curto século XXI. Submergido em narrativas de uma ficção envolvente mas dramática e tenebrosa, o imaginário do escritor destaca-se mesmo por essa toada de terror mais ou menos real que apresenta. Todo ele encontra-se plasmad

‘La venas abiertas de América Latina‘, ou em português ‘As Veias Abertas da América Latina‘, é a obra mais importante do jornalista e escritor Eduardo Galeano, falecido a 13 Abril de 2015. A versão integral do ensaio é agora editada pela primeira vez em Portugal e pel

Vêm as pessoas ter connosco, sem que as tenhamos que procurar. Imaginar que que nos aproximamos uns e outros como sombras, ou reflexos. Vivemos fundados na citação do que se sente, do que é o mundo, do que somos nós mesmos. Nesse viver que não devia ter certezas, somos cada vez mais independen

No dia 29 de abril, as portas do auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett abrem-se para receber a 55.ª edição do Porto de Encontro. Esta sessão do ciclo de conversas com escritores promovido pela Porto Editora tem como convidado especial Frederico Lourenço, professor universitário de

Lloro por ella. Assim poderia começar “Yoro” (Elsinore), de Marina Perezagua (n.1978, Sevilha). A fonética do nome desta menina aproxima-se da primeira pessoa do verbo Llorar [Chorar]. O testemunho de H, personagem principal deste livro, é um lamento, um choro, por Yoro. Em 1945, é lançada

Se há obra de Haruki Murakami que deve ser obrigatória — e não apenas pelo seu volume, que pode atingir as 600 páginas, pelo seu título cativante, ou até pela capa que desperta curiosidade e que geralmente apresenta um gato, independentemente da sua edição — é, sem dúvida, Kafka à Be

Foi há precisamente 30 anos que o escritor e químico italiano Primo Levi fora encontrado sem vida na entrada do seu prédio, após uma queda do terceiro andar. Existem inúmeras dúvidas se se terá tratado de suicídio ou de um mero acidente. O que terá realmente acontecido? A resposta a esta qu