Não será arriscado afirmar que o cinema português foi, até à década de 50, um dos mais fortes no panorama europeu. Essa projecção internacional só não era maior devido à enorme clarividência do mercado soviético e germânico, mas a nível de qualidade e visão foi sem dúvida um dos mai

O aroma primaveril de Março proporciona momentos de grande inspiração que levam à criação de grandes obras poéticas e de conteúdo lírico. Poderíamos falar da publicação de Os Lusíadas em Março de 1572, do primeiro número da revista Orpheu fundada por Fernando Pessoa, Mário de Sá-Car

Há determinadas ocupações que nós designamos por profissões, ou seja, que implicam o pagamento de determinado montante pelo serviço prestado, porque lidamos com misteres que só os profissionais da área estão habilitados. Por isso, delegamos nos outros essas tarefas que nós ignoramos. Se va

“Secretaria de Cultura lança edital de apoio a sites culturais” é o título de uma notícia de 2010, correspondente a um apoio concedido pelo Governo do Rio de Janeiro. É certo que, segundo as pesquisas, o apoio não se repetiu nos anos seguintes, mas não deixa de ser curioso que há sete an

Uma folha em branco. Ou, ajustando às novas modas, um monitor em branco. Aí está ele/a, convidando-nos para embarcarmos com eles numa jornada de proveito mútuo. Deste lado, proporcionamos uma história. Do outro, dão-nos a oportunidade de a contar. A diferença é que, aqui, a eternizamos. Não

Ainda se lembram do Verão? Eu praticamente já não me lembro. Mas há experiências que nunca se esquecem e que ficam indelevelmente associadas ao período em que as fazemos. Como tal, este meu Verão passado ficou marcado por ter ido a um casamento na Moldávia. Vamos começar pelo início. Na mi

Desde há umas semanas que a França tem sido marcada pela agressão e violação do jovem Theo, no dia 2 de Fevereiro, às mãos de agentes da polícia francesa. O caso aconteceu em Aulnay-sous-Bois, subúrbio de Paris, quando Theo foi interpelado pela polícia para controlo de identidade, numa sup

A questão da utilidade da arte é recorrente. Encontro-me bastante longe de Portugal, numa das cidades mais isoladas do mundo considerado ocidental, e de menor densidade populacional. Traduzindo, é distante de tudo e todos, e os que por aqui vivem também se encontram dispersos uns dos outros. Nã

Quando era um miúdo de cabelo rapado e jardineiras amarelas, conseguia voar. Lembro-me vivamente de levitar por cima do chão de madeira da minha sala, lentamente avançando até à janela do fundo. Lembro-me de me deixar cair do terraço para lenta e levemente pairar até os meus pés pousarem no

Não existe ninguém que não goste das coisas boas da vida. Contudo, há imensa gente que não gosta das mesmas coisas que outra tanta gente gosta. Todas comungam, no entanto, de um mesmo gosto: o gosto do que lhes dá prazer. Até pelo prazer que o desprazer dá: a superação do faquir, a excita