Manchester By The Sea chega às salas de cinema portuguesas como um dos títulos com actual maior reconhecimento nos Estados Unidos da América, e um dos filmes com maior projecção para os Óscares. A terceira longa-metragem de Kenneth Lonergan após You Can Count on Me (filme de 2000) e Margaret

Helen Oyeyemi criou uma certa reputação nos seus poucos anos de ofício como escritora. Escolhida como uma das melhores jovens escritoras britânicas em 2013, pela revista Granta inglesa, chega pela primeira vez a Portugal agora, pelas mãos da editora Elsinore. O Que Não é Teu Não é Teu, o li

Karl Ove Knausgård alcançou fama mundial quando se dispôs a narrar a sua vida, num formato híbrido entre memória e ficção, num conjunto de livros ao qual deu o nome de A Minha Luta. Com uma totalidade de seis volumes e cerca de três mil páginas – quatro estão já publicados em portug

Por esta altura, o primeiro livro (depois das crónicas e mixórdias editadas) de Ricardo Araújo Pereira já não é uma novidade e muito menos novidade será o seu sucesso, sendo que a obra está já na terceira edição, estando à venda há apenas poucas semanas. Torna-se, por isso, interessante

Gertrude Stein é um dos nomes incontornáveis entre aquela geração de americanos que decidiu ir viver para Paris no início do séc. XX. Como colecionadora de arte, foi uma das grandes responsáveis, em conjunto com o seu irmão Leo Stein, pela aclamação da arte de vanguarda protagonizada por a

Aleksandr Púchkin é a origem da literatura russa como a conhecemos. Como podia a obra máxima de alguém como ele não estar publicada em português? Sendo Eugénio Onéguin um romance em verso, acho que a primeira coisa para a qual temos de olhar é à dificuldade de uma tradução como esta. Esc

Em 2009, Asghar Farhadi dava-se a conhecer ao ocidente através de About Elly. Nos anos subsequentes chegaram até nós A Separation e The Past. Como nestas obras anteriores, Farhadi busca novamente a domesticidade e o ambiente familiar, de proximidade, como campo da sua obra, escrutinadora por exce

A dupla de realizadores Benoît Delépine e Gustave Kervern, mais conhecidos pelas suas comédias de língua francesa, traz-nos um road movie de “paladar apurado”. Protagonizado por Gérard Depardieu, com quem os realizadores já tinham trabalhado em Mamuth, Benoît Poelvoorde e o novo menino-bo

Realizado por Gareth Edwards, o mesmo que conseguiu de forma meritória (re)despertar Godzilla em 2014, Rogue One tinha a árdua tarefa de passar incólume pelas vozes contestatárias que nesta altura se levantam face ao aproveitamento do Universo de George Lucas por parte da Disney. Este novo film

A segunda Palma de Ouro do britânico Ken Loach após The Wind That Shakes the Barley (2006) reveste-se de um contexto actual que vale por si só em termos narrativos. O realismo de Ken Loach tem na actualidade uma época de extrema pobreza e uma Administração Pública sem humanismo, que trata as