Carles Puigdemont, presidente do governo autonómico catalão, pede ajuda internacional para mediar conflito com Madrid

2 OUTUBRO, 2017 -

A União Europeia mantém a confiança na capacidade de resolução do conflito do primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy

O presidente do governo autonómico catalão, Carles Puigdemont, pediu ajuda internacional para resolver a disputa independentista entre o seu governo e o governo central espanhol. Puigdemont afirmou que a Europa não pode continuar a ignorar o assunto depois de quase 900 feridos em resultado da repressão das forças policiais para evitar a realização do referendo.

A Comissão Europeia deve incentivar a mediação internacional”, disse o presidente catalão. “Não se pode continuar a olhar para o outro lado“, asseverou.

Nas últimas semanas a União Europeia remeteu-se ao silêncio, mas parece tê-lo quebrado hoje com um comunicado. Neste podia-se ler que “a violência não pode nunca ser um instrumento na política. Confiamos na liderança do primeiro-ministro Mariano Rajoy para gerir este díficil processo em total acordo com a Constituição espanhola e com os direitos fundamentais dos cidadãos“.

Porém, a operação policial de ontem foi severamente criticada pelo Alto Comissário dos Direitos Humanos das Nações Unidas, Zeid Ra’ad al-Hussein. Este adisse ter ficado “muito perturbado” com a violência na Catalunha e apelou “às autoridades espanholas para  investigarem por via de uma investigação minuciosa, independente e imparcial todos os atos de violência“. Hussein pediu ainda ao governo espanhol para aceitar imediatamente a entrada de observadores de direitos humanos das Nações Unidas.

Parlamento Europeu reune-se de emergência para debater a Catalunha

A instituição europeia vai realizar esta quarta-feira uma reunião de emergência para abordar a situação na Catalunha, anunciou Antonio Tajani, presidente do Parlamento.

Artigo escrito por Ricardo Cabral Fernandes / Parceria jornal i 

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

A Guardia Civil deteve 14 pessoas de altos cargos do governo autónomo da Catalunha, e estão a se

Mariano Rajoy poderá ficar na História como um dos pais de uma eventual independência d

Decisão de união com Aragão e Castela agrilhoou um povo singular a uma existência incó

Não aceita um referendo que viole a Constituição. Para ela, o primado da lei é que perm