Com o calor que Julho trouxe, as quartas à noite são já momentos de alguma agitação na capital portuguesa. Sai-se à rua porque apetece uma imperial ou um branco fresquinho, e fica-se em amena cavaqueira até às tantas. Mas, por vezes, surge uma quarta-feira que quebra a rotina; e, esperando-o

Maria e Júlia Reis, as ditas Pega Mostro, são a dupla lisboeta que itera que, no nosso país, para se fazer garage rock viciante e merecedor de ser ouvido, uma guitarra e uma bateria são mais que suficientes – isto, obviamente, sabendo seguir e complementar o ritmo e s

Stephanie Knipe criou Adult Mom em 2012, começando no mesmo ano a lançar música, produzida e gravada por si própria, no Bandcamp. Em 2015, o seu segundo full-lenght - “Momentary Lapse of Happily” - trouxe-lhe resposta positiva da c

Este mês Éme - alias de João Marcelo - regressou para apresentar mais um álbum, “Domingo à Tarde”, o terceiro do seu reportório e sucessor do celebrado “Último Siso”. Ainda que três anos se tenham passado desde o seu ultimo

Cleo Tucker e Harmony Tavidad formaram em 2013 Girlpool, quando tinham apenas 17 anos, e, desde o início tornou-se muito claro o seu propósito: contar histórias. Ou melhor, fazer relatos: das suas experiências, da sua feminilidade e da sua juventude. “Before the World

Leslie Feist voltou este ano para nos agraciar com um novo álbum, seis anos após Metals e dez após o icónico The Reminder, que solidificou a sua presença a solo musicalmente (uma vez que dá também voz aos Broken Social Scene)

Para uma pessoa que se preze de ser um connaisseur da música portuguesa, Luís Severo não deve ser já um nome desconhecido. E para quem se está de momento a imergir nessa mesma cultura musical também não. Com o segundo álbum, "Luís Severo", editado este ano, para grande crítica e a

Os Little Dragon, banda originária da Suécia, celebram o seu décimo aniversário com um novo álbum . Desde o lançamento do primeiro LP, homónimo, que o seu som é um reflexo do synthpop como ele se apresenta atualmente: por vezes introspetivo, por vezes mais upbe

Ainda que tendo lançado o seu primeiro full lenght em 2008, é no segundo, In Evening Air, que os Future Islands começam a criar o som que, nos dias que correm, é impossível dissociar da banda: através da articulação baixo-teclas, conseg

Foi o ano passado, com HOPELESSNESS, que assistimos à partida de ANOHNI do som suave e orquestral a que nos habituara com Antony and the Johnsons. Fê-lo através da introdução de elementos de eletrónica, que tornaram o seu som acessível a um p