Fazer um álbum ao vivo pode ser um desafio. Ao mesmo tempo que os artistas pretendem não fazer uma mera repetição daquilo que já foi feito em estúdio, também evitam ceder totalmente a impulsos de improvisação ou variações que desvirtuem as canções que os fãs conhecem. In the Same

Electropop, acústico, electropop, acústico, electropop. Desde Supernature, de 2005, os Goldfrapp têm estes dois lados, lançando álbuns fiéis a cada um alternadamente. Após o lindíssimo e tranquilo Tales of Us, de 2013, chega-nos Silver Eye

Thomas Couture pintou a obra La Peinture Réaliste em 1865, em pleno advento do movimento artístico conhecido por Realismo. Este movimento surgiu como uma revolta contra as temáticas exóticas e o teatralismo do Romantismo, e o estoicismo e idealismo clássico da arte académica, tendo co

O novo álbum dos Real Estate vem no seguimento da partida do guitarrista Matt Mondanile, agora dedicado apenas ao seu projecto a solo, Ducktails. Mondanile foi substituído por Julian Lynch, que já era relativamente conhecido no mundo da música independente. De resto, pouco mais mudou. A banda

Ninguém pensou que os Tennis durassem tanto tempo. Um casal que fez um álbum para documentar a sua expedição náutica, encetada ao longo de oito meses, e que parecia não ter muito mais para dizer. No entanto, aqui andam eles, a lançar álbuns e EPs regularmente desde 2010, nos quais figura o m

O título do oitavo longa-duração dos Dirty Projectors confirma-nos aquilo que sempre foi claro: este é o projecto de Dave Longstreth, que por vezes se faz acompanhar de outros músicos. Sendo agora o único elemento fixo do projecto, pode dar asas à sua criatividade. Este álbum é claramente a

Ainda se lembram do Verão? Eu praticamente já não me lembro. Mas há experiências que nunca se esquecem e que ficam indelevelmente associadas ao período em que as fazemos. Como tal, este meu Verão passado ficou marcado por ter ido a um casamento na Moldávia. Vamos começar pelo início. Na

O anúncio do concerto dos Capitão Fausto no Coliseu de Lisboa foi como que a confirmação do estatuto que a banda tem no panorama musical português. Goste-se ou não, não há como negar a importância da banda na música portuguesa contemporânea. A disposição do palco, no centro da sala

O fumo saído de uma máquina envolvia a parca constituição do palco do Teatro da Trindade: uns sintetizadores empilhados em cima de uma mala. Apenas disso precisou Julianna Barwick. O ambiente conferido pelo espaço e pelo fumo era místico, mesmo antes da música começar a soar, e o público ex

Ninguém que diria que uma banda com um nome tão inócuo como Girl Band, fosse capaz de produzir um som tão agressivo. No entanto, como a banda pôde provar com o concerto que deu no Musicbox, no dia 12 de novembro, as aparências iludem. Um quarteto de rapazes