Arquitetura: uma arma contra o terrorismo

21 AGOSTO, 2017 -

Ameaça terrorista é uma componente cada vez mais relevante na hora da conceção de edifícios e espaços públicos. Arranha-céus sucessor das Torres Gémeas e a nova embaixada dos EUA em Londres são representantes da nova vaga arquitetónica que pretende harmonizar segurança com design inovador e acolhedor

Na ressaca de mais um atentado no coração da Europa e enquanto Barcelona e Espanha fazem o que podem para sarar das feridas causadas pelo banho de sangue nas Ramblas e na localidade catalã de Cambrils, prossegue o debate, um pouco por todo o mundo ocidental, sobre as soluções e medidas que possam contribuir para uma redução significativa da ameaça terrorista, a curto e longo prazo.

Limitar as ações daqueles que, à semelhança dos que mancharam Londres, Berlim, Paris, Orlando, Istambul, Manchester, Bruxelas, Nova Iorque, Nice ou Estocolmo – apenas para referir os ataques mais recentes – procuram ceifar o maior número possível de vidas, recorrendo ao menor número de armas ou aos menos custosos e simples métodos de ataque, não passa apenas pela discussão à volta da videovigilância, da presença dos exércitos nas ruas ou do controlo fronteiriço. A ameaça terrorista tem ganho cada vez mais relevância dentro dos ateliers de arquitetura, nomeadamente daqueles que têm a cargo a responsabilidade de conceber edifícios e espaços públicos, que possam funcionar, também eles, como mecanismo eficaz de contraterrorismo.

Os espaços pensados para controlo de segurança, as saídas de emergência em caso de perigo, e até a colocação de vidros à prova de bala, já fazem parte, desde meados dos anos 1990, do design de grande parte dos edifícios governamentais, embaixadas, aeroportos, museus, estádios ou salas de espetáculos, mas o ataque às Torres Gémeas de Nova Iorque, em 2001, os incontáveis tiroteios em escolas (sobretudo) americanas e os atentados por atropelamento, obrigaram os arquitetos e engenheiros a terem de repensar algumas noções securitárias e a pô-las em prática nos mais variados projetos.

Aos pilares de cimento e barreiras de metal erguidos, em cada vez maior número, nos passeios que ladeiam os principais monumentos das cidades ocidentais e à construção de fossos – habitualmente enchidos com água – à volta de edifícios, somam-se outras soluções, com maior ou menor grau de estética ou de inserção no meio envolvente. Olhe-se, por exemplo, para a decisão das autoridades parisienses de colocar uma parede de vidro, com cerca de 2,5 metros de altura, à volta da mítica Torre Eiffel, justificada com a situação de elevado risco terrorista na capital francesa e nos seus principais monumentos.

Esta nova consciencialização passou, naturalmente, por várias fases, algumas delas perfeitamente visíveis nos edifícios erguidos. O departamento de Estado norte-americano, por exemplo, decidiu criar em 2002 um modelo standard para as todas as suas novas representações diplomáticas, com um design o mais pragmático, utilitário e seguro possível. Ao fim de uma década em que foram construídas dezenas de embaixadas e consulados altamente fortificados e pouco acolhedores, o então senador democrata John Kerry – nomeado secretário de Estado para o segundo mandato da administração Obama – criticou as “embaixadas bunkers”, defendeu que o facto de estarem “escondidas” e “distantes da vida nas cidades”, “comprometia a mensagem e a missão” dos diplomatas dos EUA no exterior, e contribuiu para se dar início a uma abordagem distinta.

Para o norte-americano Richard Paradis, especialista em engenharia e segurança de edifícios do National Institute of Building Sciences, o desafio que desde essa altura existe, para quem projeta edifícios públicos, é o de encontrar uma solução que permita às pessoas sentirem-se não apenas e somente protegidas, mas também bem-vindas e bem recebidas. “Não queremos que os edifícios se pareçam com fortalezas”, explica à Vice.

Aaron Betsky, professor universitário na Frank Lloyd Wright School of Architecture, partilha da opinião de Paradis e realça que o sentimento de pertença a uma comunidade é igualmente eficaz como medida securitária, pelo que acredita que é missão dos arquitetos “encontrar uma maneira de fazer com que as pessoas se sintam ligadas umas às outras”, algo que um edifício excessivamente fortificado e distante não é capaz de fazer. “Demasiada proteção leva ao isolamento”, afirma, relembrando que a maioria dos criminosos que levam a cabo atos de índole terrorista “estão rodeados de narrativas de solidão”.

É precisamente com base nesta intenção de conjugar segurança, hospitalidade e modernidade, que os governos dos EUA e de alguns países europeus, optam agora por contratar arquitetos reconhecidos para projetarem edifícios ou estruturas em construções públicas já existentes. E se o imponente One World Trade Center – edificado no espaço onde, até ao dia 11 de setembro de 2001, se erguiam as Torres Gémeas – é um edifício digno da nova vaga arquitetónica que aposta nessa harmonização, a futura embaixada norte-americana em Londres – a ser inaugurada ainda este ano – corre o risco de se tornar o seu mais icónico representante.

Os previsíveis materiais à prova de bala e ultra resistentes a materiais explosivos, as vedações e os pilares de cimento à entrada perdem todo e qualquer protagonismo para o gigantesco e formosíssimo cubo envidraçado que se está a erguer nas margens do Tamisa, ladeado de verdejantes jardins e águas calmas, e desenhado pela premiada empresa de arquitetura KieranTimberlake e cujo valor ascende os mil milhões de dólares (cerca de 850 mil milhões de euros).

O preço exorbitante causou polémica nos EUA, mas não impediu o Departamento de Estado de encomendar outros projetos igualmente inovadores para as futuras representações diplomáticas em Beirute (Líbano), Maputo (Moçambique), Cidade do México (México) ou Brasília (Brasil).

A preocupação com a estética é real, mas está cada vez mais inserida numa lógica de prioridade à segurança dentro e nas áreas próximas dos edifícios públicos. O crescimento da onda terrorista, particularmente no continente europeu, obriga a isso mesmo e deverá contribuir para um processo de alteração, mais ou menos esta, das faces das suas principais cidades e para um papel cada vez mais relevante da arquitetura contra arma de contraterrorismo. Dirigentes políticos, arquitetos e engenheiros tratarão de decidir se passaremos a viver em cidades-fortaleza ou se encontraremos na inovação uma forma de evitar tragédias como a de Barcelona.

Artigo escrito por António Saraiva Lima, publicado no nosso parceiro jornal SOL

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Frank Lloyd Wright foi um dos grandes nomes da arquitetura num período em que o experimentalismo e

Álvaro Siza Vieira trata-se de um dos principais arquitetos do século XX, e de u

Um estúdio de arquitetura do Porto vai apresentar um sistema que permite a con

Eduardo Souto de Moura é um dos nomes grandes da edificação portuguesa. Portuense de gema, foram