A sátira de Púchkin em ‘Eugénio Onéguin’

28 DEZEMBRO, 2016 -

Aleksandr Púchkin é a origem da literatura russa como a conhecemos. Como podia a obra máxima de alguém como ele não estar publicada em português? Sendo Eugénio Onéguin um romance em verso, acho que a primeira coisa para a qual temos de olhar é à dificuldade de uma tradução como esta. Escrito todo – as 389 estrofes – em versos jâmbicos de quatro pés, com esquema rimático AbAbCCddEffEgg, onde as maiúsculas designam feminino e minúsculas masculino, podem facilmente imaginar o quão difícil será trazer uma obra destas para o português (ou qualquer outra língua).

Presume-se, portanto, até pelo que é escrito no preâmbulo pelos tradutores Nina e Filipe Guerra, que nem sempre o sentido literal do texto, de modo a preservar o esquema rimático, é conservado. Os tradutores optaram por manter o ritmo, a cadência da leitura e a musicalidade parecidas ao original, em detrimento, possivelmente, de certos detalhes na escrita. Decisões como esta não agradaram, ao ver as traduções inglesas, a Vladimir Nabokov, que acabou ele próprio por fazer, 1964, uma tradução de Eugénio Onéguin onde dá relevância praticamente só ao conteúdo do texto.

O que é certo é que vai sempre existir uma perda de qualquer um dos lados. Eugénio Onéguin é, acima de tudo, uma das primeiras obras a mostrar aos russos que era possível escrever literatura na sua própria língua e, desse ponto de vista, tem certamente uma imensa importância lexical e linguística que é imperceptível para um leitor português que leia esta tradução (ou de qualquer outra língua). E certamente que é possível dizer que tal acontece com todas as traduções – imenso já foi escrito sobre isso -, mas, principalmente numa obra de tais características, tal é certamente notado.

A história é, à superfície, bastante simples: a perfeita história de enamoramento e desamor. Focando as duas principais personagens, Eugénio Onéguin, um jovem de 26 anos já enfadado com a vida, o típico dândi, e Tatiana Lárina, uma tímida filha de um nobre rural. A partir daqui é fácil: Tatiana, quando Eugénio visita a sua casa acompanhado do seu amigo poeta Lênski (que está noivo da irmã de Tatiana, Olga), apaixona-se pelo dândi que, fruto das histórias de amor que cresceu a ouvir e a ler, imagina como príncipe encantado que, e Púshkin deixa-o bem claro através de certas observações mordazes durante a obra, Eugénio não é. Tatiana, não conseguindo conter em si esta paixão, escreve-lhe uma carta a declarar o seu amor, a qual sensibiliza Eugénio, mas não o arrebata de amores. É, portanto, como homem de muita experiência, que Onéguin diz a Tatiana para, em próximas ocasiões, ser mais reservada, para nenhum homem mal-intencionado se aproveitar da sua inocência.

O acontecimento marcante dá-se quando o jovem poeta amigo de Onéguin, Lênski, o convida para um pequeno serão na casa de Tatiana e Olga. Ao chegar, o protagonista apercebe-se que foi ludibriado, vendo à sua frente, não um pequeno serão, mas um verdadeiro baile, daqueles dos quais estava completamente enfadado e onde não poria os pés por vontade própria. De forma a conter a sua fúria, decide convidar para dançar (e seduzir) Olga, levando a que Lênski, chocado por ver a sua noiva nas mãos de outro, desafie Onéguin para um duelo, de forma a defender a sua honra.

A futilidade e a desnecessariedade são bem explícitas, com várias hipóteses para sarar a ferida e impedir o duelo a serem desaproveitadas, culminando na, completamente desnecessária, morte do jovem poeta Lênski, vítima do seu romantismo. Curioso que tanto o próprio Púchkin como outro dos mais célebres poetas russos, Lérmontov, acabem por morrer como o jovem poeta da obra ficcional de Púchkin, vítimas de uma necessidade de manter a honra até à morte que os leva a enveredar por um duelo fatal. O autor não segue o seu próprio conselho quanto à inutilidade dos duelos e acaba por perecer por isso. Um daqueles casos de “faz o que eu digo mas não faças o que faço”.

Este duelo marca o centro da obra e leva à inversão dos papéis na segunda metade da obra, com a ascensão de Tatiana ao exemplo da grande mulher Russa, propulsionando Onéguin a apaixonar-se por ela, sendo desta vez tempo de por Eugénio a sofrer aos braços da mulher, que mostra o seu carácter e a sua força para se sacrificar pelo que é correcto. Mas, apesar disso, fica sempre a ideia de que, talvez, nem Tatiana nem Onéguin estejam, afinal, a fazer mais do que a cumprir o papel que lhes é atribuído pela sociedade. Tatiana, criada em romances de cavalaria, faz na adolescência aquilo que foi ensinada a fazer, apaixonar-se, para mais tarde fazer aquilo as convenções determinam que deve fazer como adulta, resistir a essa paixão e honrar o seu compromisso. Onéguin, criado para ser um dândi, fruto da sua classe social, acaba também a obedecer a essas mesmas convenções, envolvendo-se num duelo quase por obrigação, a mesma com que se via levado a frequentar bailes e a enfastiar-se dos mesmos.

É esta estrutura invertida que transforma a obra (mais do que a morte de Lênski) numa tragédia. Uma cómica, no entanto, porque parte do apelo de Púchkin é a sua piada, a sua ironia e o constante retrato de costumes do qual faz troça. Onéguin é alvo do próprio autor, sabendo ele, no entanto, que não seria assim tão diferente daquele que retrata; ao ponto de fixar, durante o livro, diferenças entre ele próprio e o “herói” da sua obra.

É em momentos como este que revela outra das suas mestrias, sendo um dos pioneiros na arte de “deitar abaixo a quarta parede”, aquela que separa o autor do leitor, fazendo diversas pausas na sua narração para se dirigir na primeira pessoa ao leitor, divagando e relatando cenas que não são directamente relacionadas com a obra. O incrível é a forma como todas estas passagens são fluídas, ao ponto de ser uma leitura tão ritmada, um cavalgar em cima da rima, que transmite a sensação de ligeireza. E foi esta que os tradutores quiseram e, quanto a mim, conseguiram manter, dando ao leitor a tradução não perfeita, mas possível, desta obra basilar da literatura Russa.

Eugénio Onéguin, de Aleksandr Púchkin, está editado pela Relógio d’Água.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS